Seguidores

Metade dos participantes de protestos contra Dilma tem renda superior a R$ 7.880


















Uma pesquisa feita pela USP (Universidade de São Paulo) com os participantes do protesto contra o governo de Dilma Rousseff entrou para os assuntos mais comentados do Twitter nesta quarta-feira (15). Segundo o levantamento, 48% dos manifestantes na capital paulista tem renda superior a dez salários mínimos — R$ 7.880.
A parcela restante está concentrada majoritariamente na faixa de renda entre cinco e dez salários, com 24,8%. A faixa entre três e cinco salários representa 14,4% dos manifestantes.


A pesquisa, realizada na avenida Paulista, apontou que o índice de confiança das pessoas nos partidos políticos é baixíssimo. Para ser mais claro, 98,4% dos manifestantes, segundo o levantamento, não acredita em nenhum partido, seja governista ou de oposição. A sigla melhor avaliada foi o PSDB, que conta com a credibilidade de 11% do público.


Ainda de acordo com o levantamento, 79% dos manifestantes confiam pouco ou nada na imprensa.  Os movimentos sociais, no entanto, são os que aparecem em destaque como representação política. O grupo Vem pra Rua tem índice de confiança de 70,8%, seguido por Brasil Livre (52,7%) e Movimento Passe Livre (25,2%).
O ex-presidente Fernando Henrique Cardoso aparece em segundo lugar como liderança política para os manifestantes, atrás apenas do senador Aécio Neves, candidato derrotado à presidência da república. 
A pesquisa ouviu 571 pessoas maiores de 16 anos por toda a extenção da avenida Paulista. A margem de erro é de 2.1%.