Seguidores

Comovidos, policiais pagam fiança de ladrão e fazem compras para ele no DF

Comovidos com a história de um homem que havia sido preso em Santa Maria (DF) por furtar carne de um supermercado, policiais civis da 20ª Delegacia de Polícia (Gama Oeste) resolveram pagar a fiança e comprar alimentos e produtos de higiene pessoal para ele e sua família.







Comovidos com a história de um homem que havia sido preso em Santa Maria (DF) por furtar carne de um supermercado, policiais civis da 20ª Delegacia de Polícia (Gama Oeste) resolveram pagar a fiança e comprar alimentos e produtos de higiene pessoal para ele e sua família.
Desempregado há três meses, o eletricista Mário Ferreira Lima, 47, que mora com o filho de 12 anos, tentou furtar 2 quilos de carne por volta das 16h de quarta-feira (13) em um supermercado, quando foi preso em flagrante.
Segundo Lima, sua única renda atual são os R$ 70 mensais que recebe do programa Bolsa Família. O recurso ainda não tinha sido depositado na conta dele e, segundo seu relato, só havia R$ 20 dentro da carteira.
"Coloquei as carnes dentro da bolsa e passei no caixa queijo, mortadela e pães, porém, funcionários do local perceberam e chamaram a polícia. Fiz isso em um momento de desespero. Estava havia dois dias sem comer", conta.
Segundo o policial Ricardo Machado, ao chegar à delegacia, o eletricista passou mal e desmaiou. "Ele contou que há um ano a mulher foi atropelada e passou oito meses no hospital. Por ter de cuidar dela diariamente, acabou perdendo o emprego. Quando ela se recuperou, foi morar com um filho de outro relacionamento, pois Lima não tinha dinheiro para os cuidados necessários de que ela precisava."
O policial contou que a todo o momento Lima se desesperava por conta do filho, que estava sozinho em casa. A preocupação emocionou uma agente, que pagou a fiança de R$ 270. "Fizemos também uma vaquinha de R$ 300 com quase todos os policiais."
A agente Kelen Cristina disse que, para ter certeza de que a história era verídica, os policiais foram até a casa de Lima e constataram que a situação era de extrema pobreza.
"Não havia nada na geladeira nem produtos de higiene pessoal, como pasta de dente e sabonete. Também não havia gás", afirmou.
Os policiais levaram Lima ontem mesmo para um supermercado e pediram para que ele escolhesse os mantimentos. "Ele chorou demais e agradecia a toda hora. Não queria nada caro. Percebemos de longe a humildade dele", disse Machado.
Apesar da boa vontade dos agentes, Lima pode ser condenado, já que foi preso em flagrante. A pena pode ser de um a quatro anos de prisão em regime fechado.

Supermercado conta outra história

Apesar das informações repassadas pela Polícia Civil, um funcionário do supermercado onde aconteceu o incidente disse que a quantidade de carne furtada foi outra.
"Na verdade, ele roubou 7,5 quilos, o que dá em torno de R$ 121,20. Se fossem apenas 2 quilos, não teríamos chamado a polícia", conta o homem que preferiu não se identificar.
Segundo ele, o furto foi monitorado pelas câmeras de segurança do local. "Ele entrou com uma bolsa vazia e aberta. Ao passar pelo caixa, ela estava bastante cheia."
Questionado pela reportagem, o policial Machado reafirmou a quantidade de carne levada. "A bolsa que Mário estava segurando era pequena. Não caberiam 7,5 quilos de carne nela", diz.