Seguidores

Lula critica ajuste de Dilma e diz que governo FHC foi o "pai do mensalão"



SÃO PAULO - Em São Bernardo do Campo, na Grande São Paulo, o ex-presidente Lula falou a sindicalistas, e além de ter apresentado críticas no modo como a presidente Dilma Rousseff conduziu o ajuste fiscal no Congresso.

Lula classificou como um "erro" o fato da proposta que restringe o acesso ao seguro-desemprego ter sido incluída em uma MP (Medida Provisória). Para o ex-presidente, em vez de MP (Medida Provisória) apresentada diretamente ao Congresso, a proposta teria de passar por debate junto a entidades sindicais. “Foi um erro.”

O ex-presidente também atacou o ex-presidente tucano Fernando Henrique Cardoso e o classificou como "criador do mensalão".

“A corrupção não é inerente a um partido. Quem criou o Mensalão foi o governo do FHC, quando estabeleceu a reeleição no País”, afirmou, referindo-se ao polêmico episódio do projeto que autorizou a reeleição e em que deputados denunciaram compra de votos, sem que tivesse havido condenações.

“Os empresários que dão dinheiro para campanha eleitoral do PT são os mesmos que dão para o PSDB, PTB, PMDB, a todos os partidos. Estou alertando: há muito tempo que tem intenção de criminalizar o PT porque, quando o governo Dilma chegar ao fim, o partido será o mais longevo no poder”.

Mais cedo, em seu perfil no FacebookLula criticou as declarações do doleiro Alberto Youssef, delator da Operação Lava Jato. Apesar de ficar clara a referência, Lula não citou diretamente o nome do doleiro em seu texto. "É inaceitável que uma grande democracia como o Brasil, com 200 milhões de habitantes, uma das maiores economias do mundo, seja transformada em refém de um criminoso notório e reincidente, de um réu que negocia depoimentos - e garante para si um percentual na recuperação do dinheiro que ajudou a roubar", disse o ex-presidente.

"É inacreditável que um bandido com oito condenações, que já enganou a Justiça num acordo anterior de delação premiada, tenha palco para atacar e caluniar, sem nenhuma prova, algumas das principais lideranças políticas do país, legitimadas democraticamente pelo voto popular", continuou Lula na rede social.