Seguidores

PF faz operação para prender grupo que fraudava documentos da Marinha


A Polícia Federal realiza, na manhã desta terça-feira (12), a operação "Inocentes" para desarticular uma quadrilha que praticava crimes a partir de serviços fraudulentos contra a Capitania dos Portos de Manaus. Segundo o órgão, o grupo cometia, entre outros delitos, tráfico de influência, corrupção, falsificação de Cardenetas de Inscrição e Registro (CIR) e documentos emitidos pela Marinha. A PF informou que a ação é realizada simultaneamente no Amazonas, Pará e Rio de Janeiro. No início da manhã, algumas pessoas presas foram levadas para a sede do órgão em Manaus.

No total, são cumpridos 24 mandados de prisão preventiva, sendo oito contra militares; sete mandados de busca e apreensão e 12 mandados de condução coercitiva.
Segundo a PF, a pedido do órgão foi decretado o sequestro de bens e valores dos suspeitos no valor aproximado de R$ 2,4 milhões, além da suspensão da licença de oito embarcações.
As investigações tiveram início após denúncias feitas por meio de documentos elaborados pela Marinha do Brasil. De acordo com a Polícia Federal, a instituição militar encaminhou diversas Cardenetas de Inscrição e Registro apreendidas durante fiscalização de rotina realizadas em rios da Amazônia.
"A partir desses dados, a Polícia Federal conseguiu identificar um grupo de despachantes que atuava na falsificação e comércio ilegal desse tipo de documento", diz a PF, em nota.
Conforme as investigações, integravam a quadrilha militares que atuavam em Manaus, empresários e donos de embarcações.
O nome da operação faz alusão à Rua dos Inocentes, onde está situada a Capitania dos Portos de Manaus. Segundo a PF, boa parte dos escritórios dos despachantes está localizada na mesma via.