Seguidores

DG do “Esquenta”: Foto de jovem armado com fuzil não é de dançarino morto







Mensagens compartilhadas com uma foto pelas redes sociais, neste sábado, afirmam ser do dançarino Douglas Rafael da Silva Pereira, o DG, a imagem de um jovem com um fuzil na mão. Sem camisa, de bermuda preta e com boné para trás, o rapaz está ao lado de outro homem, que também exibe uma arma semelhante. A fotografia, entretanto, teria sido apreendida pela Polícia Civil, em 2008, durante uma operação contra o tráfico de drogas na Vila Aliança, Zona Oeste do Rio - dominada por uma facção rival a do Pavão-Pavãozinho, onde o corpo de DG foi encontrado - e já foi compartilhada na internet em outras ocasiões.
Em uma pesquisa na rede, percebe-se que a imagem já foi reproduzida em pelo menos 198 sites e atribuída a outros traficantes. Desde a manhã deste sábado, a foto já foi compartilhada pelo aplicativo WhatsApp e também pelo Facebook. Em páginas do site de relacionamentos, comentários foram deixados em alusão a morte de DG, na madrugada da última terça-feira. “Bandido bom é bandido morto”, escreve um homem no grupo entitulado “Polícia Militar do Estado do Rio de Janeiro”.
                          Os comentários em um grupo do Facebook
                        Os comentários em um grupo do Facebook Foto: Reprodução de internet
No mesmo perfil, uma mulher questiona: “Mesmo sendo pessoa do mal merece ser assassinado? Que lógica é essa?” Um outro usuário responde: “A página aqui é só de apologia ao ódio. A lógica não tem espaço.” Já em um perfil dos Praças da PM, outro homem compartilhou a foto e ameaçou: “Pra qualquer simpático a bandido que está incomodado, vem tentar...”
Nas seis imagens apreendidas na ação, oito bandidos aparecem empunhando fuzis, pistolas, radiotransmissores e cordões de ouro. As imagens estavam escondidas em um imóvel localizado ao lado de uma creche, junto com 500 cápsulas de fuzil. Após a entrada da polícia na favela, houve intenso tiroteio entre agentes que estavam no helicóptero Águia e traficantes localizados lado da creche. Na época, a quadrilha seria liderada por Márcio da Silva Lima, o Tola.
Morte por tiro
Douglas Rafael foi encontrado morto no Morro Pavão-Pavãozinho, em Copacabana, na Zona Sul do Rio, na tarde desta terça-feira. No mesmo dia, moradores da comunidade iniciaram um protesto contra a morte em um dos acessos à comunidade, na Ladeira Saint-Roman, no final da Rua Sá Ferreira. O laudo da perícia de local não constatou que o dançarino havia levado um tiro. Uma foto divulgada ontem pelo EXTRA mostrou, entretanto, a marca da perfuração nas costas de DG. A imagem chegou através do WhatsApp do jornal.