Seguidores

Vereadora propõe que custo da prisão seja pago pelo condenado

Vereadora Carla Pimentel (PSC)
A Câmara Municipal de Curitiba encaminhou, no dia 13 de outubro, ao Congresso Nacional e à Presidência da República, requerimento da vereadora Carla Pimentel (PSC) em que ela sugere emenda ao Projeto de Lei do Senado 513/2013, que altera a Lei de Execução Penal (norma 7.210/1984). Registrado no Sistema de Proposições Legislativas com o código 043.00243.2014, o pedido sugere que “as despesas realizadas 

com a manutenção do condenado” sejam “ressarcidas ao Estado” por ele próprio.


“Os gastos por apenado no país circulam em torno de R$ 40 mil por ano, enquanto um aluno universitário custa em média R$ 15 mil neste mesmo período”, argumenta Carla Pimentel. Segundo a parlamentar, existe uma “inversão de prioridade” em relação aos investimentos em educação e a má distribuição do dinheiro gasto no sistema prisional.
Leia também:
Dilma admite que houve desvio de dinheiro público na Petrobras
Dilma repete resposta sobre corrupção quando perguntada sobre segurança pública
Aécio promete plano nacional de segurança e reforma do Código Penal
Projeto que libera porte de armas é recordista em apoio popular na Câmara
‘O PT é um partido de traficantes de drogas’, afirma Fernando Chiarelli; assista ao vídeo
Mais jovem senador eleito defende redução da maioridade penal
Pesquisa: 9 em cada 10 brasileiros são a favor da redução da maioridade penal
Deputados querem apressar votação de projetos que aumentam punição a menores infratores
Mais de 90% dos brasileiros querem redução da maioridade penal, diz pesquisa CNT/MDA
Segundo a sugestão de Carla Pimentel, o preso deve indenizar o Estado “das despesas realizadas com a sua manutenção, mediante desconto da remuneração de seu trabalho”. A parlamentar cita o uso do mesmo método em países como a Alemanha e a Dinamarca, nos quais o condenado pagam pelos custos de sua prisão.
“A desoneração do Estado e da população com os custos de cada presidiário é a certeza que o cidadão de bem não será vítima do sistema”, diz a vereadora. Para ela, o objetivo é que o criminoso assuma o “real custo de seus atos”, diminuindo assim os gastos da União. O requerimento a outros órgãos, que não os relacionados à administração municipal, sejam eles estaduais, federais ou entidades privadas, é previsto regimentalmente.